A foto

"Mais uma das fotos para espantar internautas, pessoalmente eu só vejo umamancha preta nessa foto, com um certo contorno que lembra um ser humano. Esse texto segue a mesma linha dafamosa menina do corredor. Ainda acharei o charlatão responsável por essas histórias, aqui vai a lenda: - Você não deve fixar o olhar nesta foto - Não deve nunca olhar nos olhos do menino por mais de 5 segundos - Se começar a se sentir inquieto"feche" a foto - Se sentir umaincontrolável vontade de ficar olhando APAGUE a foto de seu micro. Esta foto foi tirada em 1985, em frente à casa do menino, por um tio do mesmo. O menino nascido em maio de 1972 teve uma morte sem explicação em dezembro de 1978, neste mesmo local em onde foi tirada a foto. Ninguém sabe qual foi à causa da morte, ele estava com um ursinho de pelúcia nas mãos quando morreu. O ursinho foi recolocado no quarto do menino que ficou trancado durante uma semana enquanto a família serecuperava do choque, quando o quarto foi aberto, o ursinho havia desaparecido.O menino reaparece na foto sete anos após sua morte, nomesmo local, e com o ursinho desaparecido. Quando a foto foi tirada, não havia ninguém, nem nada no local. O local da foto é uma cidade do interiorde São Paulo, cujo nome nãodeve ser revelado. Vários fotógrafos analisaram a foto e o negativo e afirmaram ser legítima. Várias pessoas ligadas ao incidente também morreram de formas estranhas. O jornal da cidade publicou uma reportagem na época, estranhamente, ao tentar reproduzir a foto, o jornal obteve apenas uma mancha preta indecifrável, o jornalista que fez a matéria, desapareceu semanas depois e nunca mais foi visto. Fotógrafos e especialistas caracterizaram a figura como um fotes pelhotefacto onde, dependendo do foco, torna disforme outras partes da foto, algumas pessoas acreditam que esta foto representa um espectro de uma outra dimensão paralela,onde viveriam as pessoas quejá não estão mais neste mundo. Detalhes interessantes - Várias pessoasdizem não ver o menino na foto. - Algumas pessoas não vêem a imagem do

Comentários

Postar um comentário